REFLEXÃO: QUE NOS FAZ MELHORES

Disse certa vez o grande Sócrates (o filósofo) quando ainda era uma criança ao acompanhar a sua mãe no ofício de parteira: “O conhecimento está dentro das pessoas (que são capazes de aprender por si mesmas), porém, eu posso ajudar no nascimento deste conhecimento”. Particularmente, sempre me identifiquei com a sabedoria e a humildade daquele sábio, — aliás, a primeira pressupõe a prática da segunda.

A principal vertente da busca pelo saber, deve ser pelo autoconhecimento, sobretudo, porque o entendimento de si e a compreensão daquilo é externo de nós, resumem bem o necessário para atingirmos uma existência útil, com realizações humanas nobres, uma vida profícua e feliz.

Entretanto, devido ao nosso egoísmo, nossos preconceitos e inúmeras fobias que invariavelmente impregnam o centro do nosso sistema de discernimento, afundando cada vez mais numa espécie de emaranhado de conflitos internos.

Esses conflitos, são perceptíveis por qualquer indivíduo, basta tão-somente observar seus diálogos internos e dilemas: (Eu sou fulano! Eu tenho isso, tenho aquilo!; Eu não devo me rebaixar e assumir que errei!; Eu não sou assim como qualquer um! Eu tenho minha fé e eu tenho minha crença! Se agir assim ou assado não serei (aceito) pela família, ou pelos meus amigos, etc.?

Fato é que, pelo mero hábito de utilizarmos tantas vezes pronomes possessivos e um sem número de julgamentos carregados de preconceitos, são indicativos que há erros na maneira como agimos —, seja conosco e/ou com os outros. Contudo, há saídas para mudança de comportamento.

Sendo o propósito de uma existência, a vida plena, isso é, um agir no sentido de se colocar nos eixos da felicidade, existe o caminho reto. Não se trata de utopia, porque é real e está sempre muito próximos de nós, tudo é uma questão de percepção. Ademais, não é nada miraculoso, é cientifico. Pertence ao ramo da filosofia prática e do conhecimento elementar da psique humana: (a compreensão é o domínio si).

Por fim, o que nos faz melhores, está relacionado diretamente ao nosso grau de satisfação com a vida, medida proporcional do quanto conhecemos de nós mesmos. Isso vai muito além das meras convenções sociais, daquilo que outros pensam sobre nós. Mas sim do nosso grau de entendimento: (até que ponto estamos dispostos a descer na toca do coelho da compreensão?)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.